Posts Tagged ‘Comunidade Nin-Jitsu’

Carol G. Nunes@carolgnunes

“Cowboy”, “Ah! Eu to sem erva”, “Fazê a cabeça”, “Detetive”, “Merda de bar”, “Arrastão do amor”, “Não aguento mais”, “Melô do analfabeto”, “Ejaculação precoce” e muito mais: são inúmeros os hits nos 20 anos de carreira da Comunidade Nin-Jitsu.

No último sábado, 3 de outubro, a Comunidade resolveu fazer um baile no palco do Opinião para comemorar estes 20 anos e lançar seu novo disco, intitulado King Kong Diamond. Com produção de Edu K (que foi homenageado durante a canção “Popozuda Rock’n’Roll”), o King Kong Diamond traz algumas lembranças do Broncas Legais (primeiro disco da banda, também produzido por Edu K), como o groovezão do baixo e guitarras pesadas.

DSC01693

A banda montou um repertório para celebrar os 20 anos de carreira (Foto: Carol G. Nunes)

Foram 27 músicas em duas horas de show. Mano Changes, inclusive, comentou que eles sempre estavam pela chalaça pós-show, fazendo uma apresentação de mais ou menos 1h15min, mas dessa vez era diferente; eles queriam presentear os fãs com um show maior e mais emocionante. As canções do novo disco foram aparecendo no meio dos hits (Aqui você assiste ao vídeo de “Maremoto”). Além de “Popozuda Rock’N’Roll”, a banda também tocou “Tudo o que ela gosta de escutar” e fez uma homenagem ao Chorão, que participou do DVD deles, em 2011.

Mano Changes, em vários momentos do show, agradeceu a todos que acompanham a banda nestes 20 anos. Disse que nada seria possível sem os fãs, e que passava um filme em sua cabeça ao ver rostos na plateia. Além do quarteto Mano Changes/Fredi/Nando/Cristiano, Erick Endres, filho de Fredi, tocou guitarra durante quase todo o show. Cheio de virtuosismo, solos e danças nervosas, Erick dá um gás absurdo no palco – afinal, sangue novo, energia nova. Quem também deu o ar da graça foi Índio, o detetive do clipe de “Detetive”, que dançou com os músicos e depois tirou fotos com a plateia. Um king kong (diamond) também apareceu em determinado momento do show (perceba na foto acima), mas logo Erick Endres o derrubou no chão, roubou sua guitarra e continuou o show.

Perto do final do show, Fredi chamou a galera pra subir no palco, e lá foram inúmeras gurias. Aí, sim, virou um baile funk, com saudação à massa funkeira e muito rebolado.

Abaixo, o vídeo da última música do show, “Ah! Eu to sem erva!”, que mostra mais ou menos a vibe da galera nesta grande comemoração:

Anúncios

Carol Govari Nunes@carolgnunes

A edição de 2015 do Discografia Pop Rock Gaúcho aconteceu nos dias 19, 20 e 21 de junho de 2015. Antes, o evento se chamava Discografia Rock Gaúcho, mas a mudança do nome foi feita para que mais bandas pudessem fazer parte. Assim, tem Graforréia Xilarmônica, mas também tem Chimarruts. Ultramen, Comunidade Nin-Jitsu, Esteban e Da Guedes também se apresentaram na edição deste ano.

Em 2013 conversei com o Lelê (quando ainda era só Discografia Rock Gaúcho) sobre a organização do evento. Se quiser ler a entrevista, é só clicar aqui.

DSC01488

A Comunidade Nin-Jitsu tocou o Maicou Douglas Syndrome, disco repleto de sucessos (Foto: Carol G. Nunes)

Na primeira noite, o Da Guedes tocou na íntegra o disco “Morro seco mas não me entrego”, lançado em 2002. Nele, os sucessos Dr. Destino e Bem nessa. Na verdade, era basicamente o que eu conhecia dos rappers. Fiquei muito surpresa com o show – achei interessantíssimo. Os caras mandam bem, têm postura firme no palco e um discurso bem racional. Inclusive, comentaram que o disco era de 2002, mas muitos problemas da cidade (e do país) ainda eram muito atuais.

Depois do Da Guedes, quem entrou no palco foi a Comunidade Nin-Jitsu, com o disco Maicou Douglas Syndrome. O show foi ótimo! Cheio de hits, muito peso nas guitarras, Mano Changes extremamente comunicativo com o público, que em todas as oportunidades abriam rodas no meio da pista.

Quem abriu a segunda noite foi a Graforréia Xilarmônica, tocando o Chapinhas de Ouro, de 1998. Quando terminou o disco, Frank Jorge disse: “então ta, esse foi o Chapinhas de Ouro, mas a gente tem mais umas músicas pra tocar pra vocês”. Além das 12 faixas do Chapinhas de Ouro, a Graforréia Xilarmônica tocou Literatura Brasileira, Bagaceiro chinelão, Minha picardia, Patê, Twist, Amigo punk, Nunca diga e Rancho. Amigo punk foi pedida durante todo o show, inclusive enquanto a banda ainda tocava o Chapinhas de Ouro. Perto de mim, dois guris dizem que “bem capaz que a banda vai embora sem tocar Amigo Punk”, entoada como um hino quando finalmente foi tocada.

1

Luciano Malásia empunhou o microfone e pulou no meio da galera durante “Peleia” (Foto: Carol G. Nunes)

Depois da Graforréia Xilarmônica, veio a Ultramen. A banda tocou o disco Olelê, de 2000, que está debutando este ano. O show foi sensacional. A banda muito bem sintonizada, o som ótimo. E o “Olelê” é um baita disco, convenhamos. Não tinha como não ser um baita show.

Na terceira noite, eu fui um peixe fora d’água. Esteban e Chimarruts. Esteban tocou o disco ¡Adiós, Esteban!, de 2012, e o Chimarruts tocou o disco homônimo, de 2002. Fiquei dias pensando se ia ou não, mas resolvi ir e ver qual era. Achei uma noite muito curiosa. O que me chamou muito a atenção foi o público das bandas: muito mais famintos do que os públicos das noites anteriores. Do Esteban eu até esperava, sabia que era um pessoal mais novo, mas fiquei surpresa com os fãs do Chimarruts, que fizeram com que o show se tornasse praticamente uma missa.

Foram três noites interessantíssimas. Se quiserem saber mais, no site do POA Music Scenes tem o relato completo dos shows.

Vídeos do Discografia Pop Rock Gaúcho:

Da Guedes – Bem Nessa

Comunidade Nin-Jitsu – Cowboy

Graforréia Xilarmônica – Eu

Ultramen – Ultramanos

Esteban – Sophia 

Outras fotos na fanpage do The Backstage.

Carol Govari Nunes@carolgnunes

Quem esteve no Opinião no último sábado, dia 21, pode presenciar o show de duas consagradas bandas gaúchas: Ultramen e Comunidade Nin-Jitsu.

O palco do bar quase ficou pequeno para tanta energia presente naquela noite. As bandas já haviam se unido para encerrar a primeira noite do Planeta Atlântida, em fevereiro deste ano, e parece que deu tão certo que eles resolveram repetir.

A Ultramen, pelas palavras de Luciano Malásia, percussionista, “é de uma geração influenciada pela MTV e pelo Galpão Crioulo”. Eles circulam, entre outros estilos, pelo hip hop, heavy metal e nativismo. Já a Comunidade Nin-Jitsu é do miami-bass, funk carioca e hard core. Ambas foram formadas em Porto Alegre durante uma grande movimentação na cena musical da cidade, a qual originou, além delas, bandas como, por exemplo, Tequila Baby, Acústicos e Valvulados, e mais para o final dos anos 90, Bidê ou Balde e Cachorro Grande.

Por serem bandas com estilos diferentes, mas parecidas (as duas usam vocabulário interno; nenhuma se encaixa no estereótipo do “rock gaúcho”) e, além disso, frutos da mesma cena, achei que seria interessante ver a junção destes elementos no palco. Não deu outra: foi uma ótima noite com um repertório repleto de hits.

DSC01332

Juntas, as bandas animaram o público durante uma hora e meia (Foto: Carol Govari Nunes)

O setlist ficou assim:

  1. Merda de bar
  2. Tubarãozinho
  3. Cowboy
  4. Não aguento mais
  5. Bico de luz
  6. Dívida
  7. Toda molhada
  8. Arrastão do amor
  9. Compromisso
  10. Erga suas mãos
  11. Detetive
  12. Popozuda (com participação de Edu K)
  13. General
  14. Hip Hop Beatbox com vocal e James Brown
  15. Tudo que ela gosta de escutar (Charlie Brown Jr)
  16. Ah, eu to sem erva
  17. Peleia (com PX, da Revolução RS)
  18. Bis: Cosmic Slop (Funkadelic)

 

Do início ao fim, o público respondeu de forma muito positiva: pulou, cantou, gritou, dançou, se divertiu muito. Os músicos estavam inspiradíssimos, animados. Foi um show memorável e eu espero que ele se repita em breve.

* No site do POA Music Scenes, projeto que faz um mapeamento da cena musical de Porto Alegre, tendo como parâmetros algumas iniciativas realizadas em Manchester, você encontra um relato detalhado da noite.

Natalia Nissen@_natiiiii

No último sábado, 18, Frederico Westphalen recebeu a banda Comunidade Nin-Jitsu para mais um show da programação de carnaval do município. Pela quarta vez na cidade a banda iniciou a apresentação, com quase uma hora de atraso, entoando o clássico “Cowboy”, música lançada em 2001 no álbum “Maicou Douglas Syndrome” e em seguida uma sequência de músicas já conhecidas pela platéia.

O público de foliões, apesar de ser muito menor ao esperado, não deixou a desejar na empolgação com o show que durou aproximadamente 50 minutos. No repertório ainda teve homenagem ao cantor Wando com a música “Chuva nas calcinha”, e as canções “Ah, eu tô sem erva!”, “Casa do sol” – tema do Planeta Atlântida 2005, “Não aguento mais” e “Detetive”, entre outras.

Fredi Endres, o guitarrista, tocou o tema do desenho animado “Bob Esponja” em homenagem ao bloco de carnaval que leva o nome da animação. O vocalista, Mano Changes, convidou a Rainha do Carnaval e o Rei Momo de Frederico Westphalen para subirem ao palco e mostrar a ginga ao lado da Comunidade e, então, outras garotas também atenderam ao convite e participaram da apresentação.

Ao final do show o vocalista manifestou-se a favor do carnaval, da música, das festas e alertou ao público para aproveitar as comemorações sem o uso de violência. Também elogiou a platéia e disse que a banda estava muito satisfeita com mais uma apresentação na cidade e que os integrantes da banda iriam aproveitar a festa até o final antes de retornar ao hotel.

A previsão era de que a banda se apresentasse à meia-noite, no entanto, o atraso de quase uma hora no show não foi justificado. Outros problemas em relação à organização do evento foram a cobrança dos ingressos, muitos espectadores que estavam de carro nem tiveram seus ingressos antecipados solicitados ao entrar no Parque de Exposições e, ao contrário do que foi divulgado com muita ênfase, a comprovação de maioridade para a compra de bebida alcoólica não foi cobrada como deveria.

Obs.: o The Backstage Blog deixa aberto o espaço para a manifestação da organização do evento em relação aos problemas citados.

Natalia Nissen@_natiiiii

Difícil encontrar algum jovem que more no Rio Grande do Sul e nunca tenha escutado hits como “Detetive” e “Ejaculação Precoce”. A banda “Comunidade Nin-Jitsu” mistura elementos do rock, reggae e funk, há quase vinte anos e já abriu show até para os californianos do Red Hot Chili Peppers. Em novembro a Comunidade gravou o primeiro DVD com a participação de Chorão (Charlie Brown Jr.), Serginho Moah e Léo Henkin (Papas da Língua), entre outras figuras importantes da música.

Foto: divulgação

E engana-se quem pensa que carnaval é só axé e micareta! Entre os dias 17 e 21 de fevereiro acontece no Parque de Exposições em Frederico Westphalen a 5ª edição do “Park Folia”, a comemoração do carnaval no município. Uma das atrações da festa é a “Comunidade Nin-Jitsu” que se apresenta no dia 18 a partir da meia-noite, uma oportunidade para aqueles que já estavam quase sem esperança de ter boas atrações em Frederico aproveitarem.

A banda é diversão garantida para quem curte um som irreverente com uma presença de palco importante, também vale para relembrar os grandes sucessos. A formação atual é composta por Mano Changes (vocal), Fredi Endres (guitarra), Nando Endres (baixo) e Gibão Bertolucci (bateria).

A organização do evento afirma que não será permitida a entrada de menores de 16 anos no local mesmo que estejam acompanhados dos responsáveis. Os ingressos custam R$10 por noite (antecipados) e R$15 na hora, pessoas inscritas em blocos podem comprar um passaporte para os 4 dias de festa por R$25. A programação completa está disponível aqui.