Posts Tagged ‘Áudio Etílico’

Natalia Nissen@_natiiiii

A movimentação nas redes sociais já é grande, mais de 150 pessoas confirmaram presença no evento criado no Facebook e ainda estão ajudando a divulgar a festa através do compartilhamento de fotos, evento e retweets. Parece que a iniciativa em fazer algo agradou a muita gente, são comentários de apoio e parabenização a aqueles que não só reclamam das opções de shows na cidade, mas também fazem acontecer um novo evento.

A banda Áudio Etílico volta a tocar em Frederico Westphalen depois de seis meses do último show e em breve disponibilizará o novo single,”Tenho Usado”, na internet. O vocalista, Zéco Liberalesso, ao falar sobre a importância do “VIVE LA RÉSISTANCE” afirma que de maneira geral o modismo está prejudicando a cena do rock, não só em Frederico Westphalen, mas em todo o estado “esse movimento tem uma grande importância pelo fato de mostrar que o rock’n roll ainda sobrevive e está presente com muita vida no interior do estado e nós, que somos do rock and roll, estamos dispostos a ajudar a disseminar essa ideia”.

Todas as bandas que se apresentam no “VIVE LA RÉSISTANCE” não receberão para isso, estarão fazendo seu show por amor à música e pela parceria à iniciativa e é assim que o movimento pretende ter sucesso garantido. As atrações já estão confirmadas.

Sexta-feira, 27 de abril:

Cão de Saia (classic rock e alternativo)

Datavenia (trash metal)

Fungus (punk)

Sábado, 28 de abril:

Áudio Etílico (classic rock e rock gaúcho)

The Elizabeth’s (punk)

Tender Trio (classic rock)

Algumas das bandas que estarão no “VIVE LA RÉSISTANCE” já passaram aqui pelo The Backstage, para conferir as matérias é só clicar nos links. Mais informações com a organização do evento, pelo telefone 9906-1091 (Juliano – Dudi).

Anúncios

Natalia Nissen@_natiiiii

No dia 1º de setembro foi inaugurado um novo espaço de entretenimento em Frederico Westphalen, o pub Maria Lúcia. O novo estabelecimento promete ser uma alternativa ao público que sai do trabalho e procura um lugar interessante para conversar e ouvir boa música. A proposta da casa é agradar a todos que gostam de música, independente do estilo.

A decoração é um dos pontos fortes do Maria Lúcia (Foto: Marcos Piaia)

O ambiente detalhadamente decorado chama atenção, mas o ponto forte e que diferencia o pub dos demais pontos de encontro da cidade é o lugar reservado aos fumantes; não são poucos os que reclamam do cheiro de cigarro impregnado nas roupas ao sair das festas, e no Maria Lúcia dá pra curtir o show a noite inteira sem se preocupar com o empecilho. Além disso, ainda há mesas e cadeiras distribuídas em 3 ambientes para quem estiver a fim de conversar e descansar.

A cozinha fica aberta a partir das 17 horas e são oferecidos petiscos, cafés, sucos, vinhos, espumantes, além das tradicionais cervejas. Aliás, o pub Maria Lúcia tem um cardápio de bebidas de destaque em relação aos outros bares de Frederico Westphalen.

Ontem, quinta-feira, quem subiu ao palco e comandou o show foi a banda Áudio Etílico com seus clássicos do rock’n’roll. No repertório o rock nacional que tem forte influência sobre a banda e músicas de AC/DC, Eric Clapton, The Beatles, Rolling Stones, Pearl Jam, entre várias outras que embalaram o público durante a apresentação; também não podia faltar a composição própria, “Moto rock”.

O Maria Lúcia fica na rua Monsenhor Vitor Batistella, nº 412. O happy hour com serviço de cozinha funciona até às 23 horas, de quarta-feira a sábado. E de quinta-feira a sábado, a partir das 23 horas, tem programação com música ao vivo.

Natalia Nissen@_natiiiii

Depois de alguns meses afastada dos palcos a banda Áudio Etílico está de volta. No próximo dia 22, quarta-feira, os guris fazem show no Opus 10 Hall Pub, em Frederico Westphalen. O vocalista, Eocares – vulgo Zeco, contou ao The Backstage, o que a banda fez durante a pausa dos shows.

Áudio Etílico durante ensaio em 2010 (Foto: Josefina Toniolo)

Os ensaios continuaram acontecendo normalmente nos últimos meses, a banda não parou e todos os integrantes estão ansiosos com o retorno. A Áudio Etílico promete mais um show com muito rock and roll para agradar a todos que forem ao Pub conferir, há novidade no repertório, mas é surpresa.

No ano passado, em entrevista ao The Backstage, a banda afirmou estar empenhada em trabalhar nas composições próprias, Zeco disse que ainda não deu tempo da AE ir para estúdio gravar as músicas, mas garante que se os planos derem certo em breve a banda terá um novo trabalho. “Existem algumas coisas que precisamos resolver ainda, a ideia é fazer um bom trabalho, e não um trabalho rápido” concluiu o vocalista.

A banda acaba de criar um blog que, segundo Zeco, tem a intenção de ser um canal de maior contato com o público. No blog as pessoas vão poder fazer download do single e assistir aos vídeos, além de ficar sabendo das principais novidades da Áudio Etílico.

O Opus 10 Hall Pub abre as portas às 23 horas, e os ingressos antecipados custam R$7 o masculino e R$5 o feminino.

Orkut Áudio Etílico.

Josefina Toniolo – @jositoniolo/ Natalia Nissen – @_natiiiii

Quem disse que a música não pode auxiliar na educação dos jovens? A professora de inglês do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, de Frederico Westphalen, Juliana Andrighe, fez um projeto com os alunos da 8ª série. Ela quis resgatar o rock’n’roll clássico e deixar de lado as bandas atuais, mostrando aos alunos as origens do gênero musical. A turma foi divida em grupos e cada um escolheu uma banda, dentre uma lista, para pesquisar. As opções foram várias, Rolling Stones, The Beatles, Aerosmith, Guns N’ Roses e até Abba. Os alunos tiveram palestras sobre o assunto e puderam desmitificar o rock e perceber que o estilo vai muito além do estereótipo “sexo, drogas e rock’n’roll”.

Aluna do Colégio Auxiliadora (Foto: Di Luis)

O vendedor e comunicador, Luis Carlos Nunes (Fuga), deu uma palestra aos alunos falando da história, traçando um paralelo entre o rock antigo e o atual, passando por Chuck Berry, Jerry Lee Lewis e o rock “comercializado” atualmente. Ele comentou fatos e discos polêmicos, contou dos festivais de música e das bandas que mudaram a história do gênero. O palestrante percebeu que poucos alunos já tinham uma base a respeito do assunto, mas que muitos se interessaram em buscar novas informações sobre as tradicionais bandas de rock.

Lyan Celuppy, 14 anos, achou muito interessante o projeto e afirma que já conhecia o estilo e gosta de bandas como Led Zeppelin, Black Label Society e também de Ozzy. Outros já gostavam das músicas, mas não tinham contato com essas bandas clássicas, e mesmo assim pesquisaram sobre, como é o caso da estudante Eloisa Sampaio, 14 anos.

O projeto foi apresentado na Feira de Ciências do colégio e na última quinta-feira, 21, a banda Áudio Etílico fez uma apresentação cantando algumas das músicas estudadas pela turma, “uma grande iniciativa fazer com que os jovens tenham contato com o rock’n’roll, o projeto trouxe muita coisa da história do rock com a palestra do Fuga.  Foi uma honra ser lembrado pra esse tipo de evento, foi tudo bem no improviso, bem itinerante mesmo, me diverti muito” declarou Eocares, vocalista da Áudio Etílico. Juliana fez contato com a banda por meio de um colega de trabalho e os alunos aprovaram a ideia.

Áudio Etílico (Foto: Di Luis)

 

Natalia Nissen / Josefina Toniolo

Na última quarta-feira, 30 de setembro, assistimos a um ensaio da banda Áudio Etílico e vamos dividir com os leitores a experiência.

It’s a long way to the top if you wanna rock’n’roll!

@_natiiiii

“Pensei que a gente nunca ia chegar” e foi assim que quebramos o gelo depois de uma longa caminhada ao desconhecido. Exatamente, não sabíamos o endereço, só tínhamos uns três pontos de referência. Mas foi só achar uns carros com adesivo “Áudio Etílico” que o “problema” foi resolvido.

Os guris foram super receptivos. Começamos a conversa com as típicas perguntas de jornalista querendo bisbilhotar a história e o futuro da banda; conversa vai, conversa vem e o ensaio começou. O ensaio acontece num estúdio pra lá de “aconchegante”, como eles dizem. A cerveja gelada ajudava a resfrescar, afinal, “calor” é pouco pra definir. Também não era muito fácil fazer foto por causa da questão de espaço, mas até que nos viramos bem. E é esse o “encanto” da coisa, a necessidade de aprender a se virar e transformar o mais difícil no melhor. Não adianta ter espaço e tecnologia se não souber usar da melhor forma (isso sobre fazer música num espaço pequeno).

Começaram com “Cocaine”, música incrível do Clapton. E foi quando tocaram “A Hard Days Night” que eu percebi que aquela era a música perfeita para o dia. Depois de aula e gravação do trabalho de radiojornalismo eu precisava mesmo era de uma boa música. E foi isso que os guris da Áudio Etílico fizeram, tocaram música boa, sem cerimônias.

Não posso deixar de comentar que depois ficamos lá conversando, noite adentro, e pudemos perceber que eles (felizmente!) não falam só de música. Rockeiros também sabem conversar sobre outros gêneros musicais, carros, tratores, gatos, política, economia, e o que mais surgir como assunto. Cada integrante da banda pode ter uma opinião e todos se respeitam. Enquanto um se diz completamente contra a “comercialização” da música, outro admite que até a banda mais independente se vende; um é mais quieto, outro é contador de histórias.

Para encerrar meu “depoimento”, meus sinceros agradecimentos aos “Etílicos” que nos receberam tão bem.

 

– @jositoniolo

Saímos da gravação de um radiojornal, com a cabeça a milhão. Depois de uma passadinha na casa das gurias (porque eu nem fui pra casa), resolvemos ir atrás da nossa pauta e honrar o nome do blog. Tudo lindo e maravilhoso na teoria: “é só passar a Mabella e andar mais um pouquinho que vocês encontram a capela Santo Antônio, aí vocês já vão ouvir o barulho.” Aham, senta lá. Caminhamos quase uma hora e falamos com umas 14 pessoas na rua querendo saber onde ficava o dito “esconderijo”. Mas não tenho do que reclamar, criamos várias teorias e rimos muito no caminho, o que valeu o esforço.

Encontramos o lugar e minha reação antes de chegarmos foi: “Eu quero voltar, Nati!”. Sim, totalmente “maduro” de minha parte, mas a ideia de chegar num lugar onde eu só conhecia as pessoas de vista me apavorava. Depois que entramos e nos apresentamos, percebi que eu estava sendo muito idiota por estar envergonhada, eles foram super simpáticos e em poucos minutos já me sentia em casa.

Fomos até o estúdio, super caseiro e aconchegante, com uma enorme bandeira do Rio Grande do Sul na parede. Correspondeu bem ao que eu imaginava, porque, como a Nati bem observou na hora, quando é perfeitinho demais perde a graça. “Born to be wild”, “Love me two times”, “My generation”e “Come Together” foram algumas das músicas da noite. A maior dificuldade nem era o espaço ou a câmera com o fotômetro estragado, mas sim, a vontade de cantar e pular junto. Tínhamos que nos comportar como “jornalistas” e entre câmera e bloco de notas cantávamos baixinho alguns refrões e batucavámos com a caneta.

Depois do ensaio propriamente dito, ficamos lá conversando durante horas. E, por incrível que pareça, sempre tinha assunto (e, definitivamente, não só música). Bom, poderia continuar contando várias coisas, mas paro por aqui, porque já me estendi demais. Em suma, foi uma noite memorável. Devo agradecer a gentileza dos guris da Áudio Etílico e desejar muito sucesso para a banda!

 

E para matar um pouco da curiosidade de quem ainda não conhece a banda, deixamos o link da página no PalcoMP3.
(Fotos: Josefina Toniolo e Natalia Nissen)

Natalia Nissen@_natiiiii

Não é preciso ir muito longe para ouvir o bom e velho rock’n’roll. Frederico Westphalen abriga bons músicos e entre eles estão os integrantes da banda Áudio Etílico que acaba de completar 3 anos de dedicação ao rock.

Áudio Etílico (Foto: Natalia Nissen)

Quem são eles? Zéco Liberalesso é o vocalista, Rafael Costa é responsável pela guitarra base, na bateria aparece o Gustavo Colognese, Martin Witter toca o contrabaixo e Tiago Silva guitarra solo. Eventualmente Cleiton Piaia (da primeira formação) acompanha a Áudio Etílico nos shows e ensaios.

A banda respondeu algumas perguntas e você confere a entrevista a seguir.

The Backstage – Como surgiu a Áudio Etílico?

Áudio Etílico – A banda teve início em meados de 2007, com a vinda de nosso baterista Gustavo Colognese e nosso primeiro guitarrista Cleiton Piaia para estudar no Cesnors, provenientes da cidade de Chapada-RS, detalhe, os dois se conheceram em Frederico, nunca tinham nem trocado meias palavras em sua cidade natal. No Cesnors também conheceram Martin Witter (baixo), que cursava o mesmo curso e veio da cidade de Piratuba-SC.  Depois de algum tempo já ensaiando, os três resolveram procurar um vocalista para completar a banda, e então por intermédio de um conserto na bateria de Gustavo foram apresentados a Zéco Liberalesso que chamou também seu antigo parceiro de projetos passados  Rafael Costa (guitarra base) para integrar essa nova banda, que em setembro de 2007 foi batizada de ÁUDIO ETÍLICO. Em 2008, devido a problemas pessoais, Cleiton Piaia se desligou da banda dando lugar a Tiago Silva na guitarra solo.

TB – Vocês sempre tiveram a pretensão de tocar para um público maior ou no início era só uma maneira de descarregar as energias do dia-a-dia?

AE – No início nos reuníamos para fazer nosso rock’n roll em um ensaio improvisado, mas com o tempo a gente decidiu fazer shows e assim consequentemente dando um destino para banda.

TB – Qual foi o momento mais marcante para a banda durante estes últimos três anos?

AE – Acredito que quando nosso single tocou pela primeira vez na rádio, nossa primeira música que estava abrindo os caminhos da nossa jornada.

TB – Cachorro Grande abriu o show de vocês em maio deste ano, e muita gente criticou o fato de não ser a Áudio Etílico abrindo o show deles. Como vocês recebem este tipo de crítica?

AE – Na verdade é um costume da cidade de Frederico Westphalen, geralmente a banda principal toca por último, na maioria dos lugares é assim, porém aqui em nossa cidade a banda principal sempre toca primeiro.

TB – Vocês conquistaram o respeito das outras bandas de rock daqui de Frederico. Qual a importância disso pra vocês?

AE – Na verdade isso é o mais importante, conquistar o nosso espaço. A gente tem trabalhado muito pelos nossos objetivos, sempre com muita perseverança e também muito respeito pelo trabalho das outras bandas, e ter o apoio das outras bandas daqui é algo que valorizamos muito.

No estúdio da banda (Foto: Natalia Nissen)

TB – E quais são os planos para o futuro da Áudio Etílico? Páginas em sites como RockGaúcho e Palcomp3 são um passo para as próximas conquistas?

AE – Nós estamos trabalhando em algumas musicas de autoria própria, pretendemos em breve lançar o nosso trabalho objetivando o crescimento e solidificação da banda, e estes sites são de grande ajuda para levar nossa musica até o publico.

 

O The Backstage acompanhou um ensaio da Áudio Etílico e amanhã você vai saber o que rolou no encontro.

MySpace

Twitter