Archive for the ‘Rock’ Category

A Rede de Pesquisadores em Comunicação e Música – Rede Musicom – torna pública a chamada de trabalhos para o sétimo encontro nacional, que ocorrerá de 09 a 11 de outubro na UFMG, em Belo Horizonte.

Neste ano eu coordeno o GT 5 – Música, convergência tecnológica e performances em rede, que propõe o debate sobre a música e suas interações com as tecnologias digitais em relação à produção, circulação e consumo nas instâncias de mediações de sites de redes sociais, sistemas operacionais, softwares sociais, etc. A ideia do GT é pensar nas especificidades das culturas musicais nesses ambientes de e nas práticas de digitalização. Dentro disso, as discussões podem contemplar temas como a produção, a circulação e o consumo da música na Internet, performances de artistas (e fandoms) em sites de redes sociais, plataformas de streaming, curadoria digital, novas relações sociais possibilitadas pelas mídias digitais, cenas musicais virtuais, rearranjos, remixes, dentre outros.

A submissão dos artigos vai até 31 de julho. O calendário completo você encontra no site do evento:

http://www.musicom.mus.br/ 

19897711_10209978610725420_2127284876_o

* Ellen Visitário

Há um tempo que eu queria falar sobre a banda Vera Loca, mas não sabia como intercalar com o som dos caras. E então, perambulando na internet, vi o vídeo clipe que eles fizeram sobre a música “Amanhã pode ser bem melhor”, gravado no estúdio Mubemol, com o Humberto Gessinger. Pensei: “Taí uma pauta bacana!”

O convite!

Os integrantes da Vera Loca me contaram que sempre tiveram vontade de convidar o Gessinger para participar de um show deles, mas havia um desencontro nas agendas. Até que a chance de gravar a música – onde a letra é assinada somente pela banda – veio:

“É muito especial essa parceria. Estar com o Humberto em algum momento dessa caminhada da Vera Loca era um sonho da banda. Já havíamos falado com ele em outras oportunidades, convidando para participar de algum show nosso e ele sempre se mostrou afim, porém nunca deram certo as agendas.” – E ainda completou ao dizer que Gessinger não pensou duas vezes em aceitar o convite para gravar esta canção: “Foi muito generoso com a gente, o que só reforçou toda a admiração que temos por ele”, afirmaram os músicos.

Por e-mail, o Humberto também me disse sobre a satisfação em dividir esta parceria com uma banda que está há 15 anos na estrada: “Eu já tinha recebido convites para participar de show da VL, eles fizeram uma gravação bacana de “Parabólica”, mas minha agenda sempre impedia. A participação em estúdio foi mais fácil de armar. Foi um prazer participar”.

Quando duas bandas se encontram…

Para quem não sabe, a Vera Loca nasceu no Rio Grande do Sul, mas que está tomando uma dimensão maior em outros cantos do país. “Quando se fala de música, essas barreiras de tempo e espaço são bem menos importantes do que as pessoas imaginam. É legal tocar com quem se tem afinidade, independente de quando e onde” – destacou Gessinger quando foi questionado sobre essa ligação com uma banda que surgiu em uma época diferente da sua.

E ainda os caras da Vera Loca contaram que sempre se espelharam nos artistas de outras gerações, pois eles se reinventam na música. “A gente tenta seguir os passos. E também esses artistas estão sempre se renovando, nunca acomodados com o que já conquistaram.”

De fato, a internet colabora muito para que as novas bandas do rock gaúcho cresçam na cena musical. Quando eu perguntei ao Humberto Gessinger sobre a sua percepção diante deste universo tecnológico, a resposta foi a seguinte: “Gostaria de ter estas ferramentas quando comecei, se bem que… se minha circunstância fosse diferente, sabe lá como eu seria”, finalizou o músico.

Recentemente, o quinteto Vera Loca lançou um disco de inéditas, intitulado “A certeza de como valeu navegar nesse mar”. E quem também está com novidade na praça é o Humberto Gessinger com a turnê “Desde Aquele Dia” – em comemoração aos 30 anos do álbum “A Revolta dos Dândis”.

* Ellen Visitário é graduanda do 7º período de jornalismo no Centro Universitário FIAM FAAM, em São Paulo/SP. Portfólio: http://ellenvisitario.wixsite.com/portfolio

Os textos mais lidos de 2016

Posted: 30/12/2016 in Rock
Etiquetas:

Como de praxe, quando o final do ano se aproxima, posto aqui os textos mais lidos durante o ano no The Backstage.

Esses foram os textos mais acessados em 2016:

  1. Ainda ta em tempo de falar sobre o novo DVD da Pitty?
  2. Desgrazzia ma non troppo: Trupe do Teatro Esperança em “Nico, a grande atração”
  3. Império da Lã homenageia a efervescente mente de Júpiter Maçã
  4. Na roda da saia rendada da moça que dança a ciranda: Pitty canta Martinho da Vila
  5. Agridoce e a diferença entre o abajur e a luminária
  6. Ultramen faz show de lançamento do DVD Máquina do Tempo e comemora 25 anos da banda
  7. Sobra demônio: Pitty na Inked
  8. Viver parece mesmo coisa de insistente: Pitty e suas SETEVIDAS
  9. Criolo celebra 10 anos do disco “Ainda Há Tempo” no palco do Opinião
  10. Evento sobre cenas da música pop agita a Unisinos

 

Que 2017 venha recheado de pautas interessantes e que o ano seja repleto de shows, clipes, livros, shows, discos, shows, documentários, lançamentos, shows… e eu já disse shows?

Até ano que vem! Cheers!

Na última quinta-feira, 24 de novembro, a banda Ultramen subiu ao palco do Opinião para lançar o DVD Máquina do Tempo, gravado 8 anos atrás naquele mesmo palco.

Além do lançamento do DVD, o show marcou a comemoração dos 25 anos da banda, que tem 4 discos de estúdio lançados e intercalou sucessos de todos os álbuns, além de “Robot Baby”, composição inédita do grupo. Pouco antes do show começar, o público assistiu a um vídeo do Mestre Guitarreiro Luis Vagner contra o fechamento da TVE e FM Cultura, movimento que a Ultramen também faz parte e endossou essa posição durante boa parte do show, principalmente no bis, quando todos os músicos voltaram com a camiseta “Salve salve a TVE e a FM Cultura” e Tonho Crocco disse que o medo dele – e da banda – não é perder espaço na mídia, mas sim perder a Fundação Piratini, essencial para bandas independentes, artes cênicas e cultura em geral.

1

Interação entre banda e público foi intensa durante toda a noite (Foto: Carol G. Nunes)

Mas retomando o início do show, que começou com “Tubarãozinho” (depois da “Intro”, seguindo a mesma ordem do DVD), e seguiu com clássicos da banda como “Grama Verde”, “Bico de Luz”, “Dívida”, “General”, “Preserve”, “Máquina do Tempo” e outras várias faixas que estão no DVD, tivemos uma noite com uma energia incrível e público super presente. Aliás, o público era bem mais diversificado do que o do último show que eu tinha visto da Ultramen, no ano passado. Gente de todas as faixas etárias e cores e sabores e amores lotaram o Opinião. Sem cotoveladas e sem empurra-empurra. Andei umas 5 vezes pelo bar, de ponta a ponta, e apesar de estar bem difícil de se locomover por causa da quantidade de pessoas, ninguém trancava a passagem ou te olhava de cara feia. Acho que um público também faz o show. Eu sou jornalista, mas eu também sou público. Eu gosto de circular, de observar – ainda não perdi isso da etnografia, confesso –, e shows da Ultramen são sempre interessantes – do ponto de vista jornalístico e também do ponto de vista etnográfico.

Várias participações também rolaram durante a noite: Buiu em “Esse é o Meu Compromisso”, Manos do Rap (rapper Du e Curumano) em “Erga Suas Mãos”, PX em “Peleia” e o Gibão, batera da Comunidade Nin-Jitsu entrou em “Hip Hop Beatbox com vocal e James Brown”.

O DVD Máquina do Tempo está disponível no youtube e você também pode comprá-lo no site da HBB Store.

A Galáxia de Tonho Crocco

Antes tarde do que mais tarde:

1

BNegão participou em “Baobá” e “Dívida” (Foto: Carol G. Nunes)

No dia 20 de outubro, no Theatro São Pedro, em Porto Alegre, Tonho Crocco lançou o baita disco Das Galáxias. Com participação de BNegão em “Baobá” e acompanhado da in-crí-vel banda Partenon 80, Tonho tocou todas as faixas do disco Das Galáxias e faixas d’O lado brilhante da lua, além de algumas músicas da Ultramen. Além de BNegão, PX também fez uma participação especial em “Peleia”, junto com o mini-sobrinho de Tonho, que estava de aniversário, e matou a pau na coreografia de “Peleia” 🙂

O projeto foi contemplado pelo edital Natura Musical Rio Grande do Sul e já teve seus shows de lançamento por Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro. Vi na agenda que em dezembro eles vão tocar de novo em Porto Alegre e a dica é: vale conferir, pois o show é incrível, muito bem produzido e formatado.

Você pode baixar o Das Galáxias no site da Natura. O disco também está disponível em CD e vinil (comprei o vinil e o som é uma beleza, vale o investimento!).

 

Acaba de entrar nas principais plataformas mundiais para download e streaming, como iTunes e Spotify, o novo EP do Fire Department ClubHuman Nature.

epO terceiro EP do quarteto de Porto Alegre conserva a energia frenética de seu indie rock já característico, agora, adicionando refrões e sintetizadores ainda mais poderosos. Human Nature é o resultado de meses de trabalho, com a banda imersa em um mundo de referências oitentistas catapultadas por sua evolução musical e a experiência em festivais na América do Norte. As quatro faixas são complexas e diferentes entre si, mas surpreendem pelo tom “pop”. O vocalista André Ache afirma: “São canções fortes, cheias de nuances e elementos ocultos mas que você pode sair cantando junto na primeira ouvida!”.

Com instrumentais gravados no Estúdio Soma em Porto Alegre, e vocais no TDS Studio de Los Angeles, Human Nature tem a assinatura do produtor musical Luc Silveira. A Mixagem, também feita no TDS Studio, é de Tiago D’Errico, e masterização de Dave Locke (Smashing Pumpkins). Entre os colaboradores do projeto estão o artista plástico Patrick Rigon, responsável pela capa de Human Nature, além da escritora e liricista Gisele Firmino, que mais uma vez contribui nas letras da banda.

Clique aqui e escolha onde quer ouvir o novo EP da banda.

Até logo

Posted: 05/10/2016 in Rock

Natalia Nissen@_natalices

Meu último post por aqui foi lá em janeiro e há meses ensaio uma ~ despedida ~. Não é novidade que o blog começou na faculdade e acabou se estendendo, até como forma de desopilar, mas há tempos deixou de ser prioridade para mim. Infelizmente. Sinto por não poder me dedicar ou por simplesmente ter preguiça de procurar algo que realmente vá interessar os leitores. Sendo assim, acho mais que justo deixar as rédeas apenas para a Carol, que tem mais tato para a coisa do que eu. Pelo menos por agora isso é certo. E aqui está uma suposta prestação de contas. Não há rompimento de relação pessoal entre nós, que fique claro, hehe.

Alguns ciclos têm se encerrado e acho que o blog é o próximo, ou já foi e eu fui empurrando com a barriga porque me apeguei e sempre tive muito orgulho de tudo que foi produzido aqui. E ainda tenho, mesmo que eu não seja a responsável por maior parte dessas produções. O The Backstage fez mais um aniversário (já são seis!) e isso prova que deu certo. Conheci muitas músicas e pessoas por meio do blog e também desenvolvi muito do que aprendi em sala de aula. Agora, deixo o espaço para a Carol seguir, e muito bem – tenho certeza.

O ~ último post ~ é só para deixar registrado. Embora eu espero voltar aqui para, quem sabe, contribuir com alguma produção que achar interessante. Eu continuo gostando de música, de rock, de internet e de todas as coisas que rodeiam esse blog que já nos rendeu um prêmio acadêmico, elogios e conversas por aí.

Meu primeiro post, em agosto de 2010 foi sobre uma exposição dos Beatles. O (agora) penúltimo foi sobre uma música dos Autoramas que tem feito o maior sentido desde que a ouvi pela primeira vez. Assim como abstrair tem se feito necessário para muitas coisas na vida, desapegar também é. Então, fica aqui o meu “até logo”.

Continuem lendo o The Backstage e dando feedback para o trabalho que agora vai ser, oficialmente, exclusivo da Carol. Sucesso sempre! E que ainda vejamos muitas novidades, entrevistas e outras cositas boas por aqui. Com a qualidade e a sinceridade que os leitores sempre deixaram claro serem nossos maiores pontos fortes.

Para quem quiser falar comigo, eu dou um ~ até logo ~ por aqui, mas continuo online em outros canais. Facebook / Twitter / Instagram / E-mail. Principalmente se for para contatos profissionais, beijomechama.

Para não ficar só um ~ textão ~, fica um pouco de música também. Direto da playlist do Spotify, um dos meus amores para fazer descobertas e guardar as melhores de sempre de todos os tempos.

Carol Govari Nunes@carolgnunes

 Quase três meses se passaram desde que Pitty lançou o DVD Turnê SETEVIDAS Ao Vivo (mas só agora consegui escrever sobre), inaugurando uma plataforma onde é possível fazer o download (em full HD!) do show e do documentário “Dê Um Rolê”. Tem também a versão física, claro, onde o público confere, além do show + doc, uma galeria de ótimas fotos que mostram momentos de shows, camarins, viagens de ônibus e tudo o que envolve uma turnê.

13654247_1402395359777371_3157389320106687215_nDirigido e editado por Otavio Sousa – que vem fazendo um ótimo trabalho como diretor desde o videoclipe de “Dançando”, do Agridoce –, “Dê Um Rolê” inicia com uma edição in-crí-vel de “Boca Aberta”, e daí pra frente é correr pro abraço e ficar por dentro de tudo o que acontece quando a banda ta na estrada, seja dentro ou fora do palco. Inclusive, Otavio Sousa conseguiu fazer uma montagem muito bem equilibrada de imagens de palco/backstage, com uma visão que faz com que o espectador se sinta inserido naquele ambiente, seja no cantinho do palco ou em qualquer outra ocasião que assistimos no DVD.

Além de dar voz para os fãs – que contam suas experiências e falam da importância de Pitty em suas vidas e no cenário musical como um todo –, “Dê um Rolê” traz vários pontos interessantes que ultrapassam a ideia de um simples registro de turnê: ele mostra a ligação da artista com o Nordeste – sobretudo com Salvador, sua cidade natal; o cuidado em não se distanciar do pessoal que conheceu na época do underground, tocando sempre que possível em festivais deste circuito; a preocupação em entregar o melhor show para o público, seja na parte da estrutura técnica (a gente pode conferir o trabalho da equipe responsável pela montagem de palco etc) ou colocando mais um músico na (melhor formação da) banda, que é o caso do talentoso Paulo Kishimoto, que toca tudo e mais um pouco, além de cantar muito bem, obrigada.

Em relação ao show, que foi gravado na Audio Club, em São Paulo, e reeditado (ganhando vários efeitos especiais) por Daniel Ferro, destaco o excelente som, a iluminação e as projeções sensacionais (leiam a ficha técnica!) que foram trabalhadas ao longo dos shows.

A turnê SETEVIDAS apresenta claramente a performer que Pitty se tornou – reformatando suas músicas e dando novos significados a elas. A “Equalize” que eu vi na turnê SETEVIDAS é diferente da “Equalize” que eu vi na turnê Admirável Chip Novo, por exemplo. Pitty, que até então se destacava, pelo menos pra mim, por ser mais compositora do que cantora, foi, ao longos dos anos, se reconhecendo no palco, se permitindo, se colocando à prova, testando suas capacidades vocais e performáticas. No show do DVD Turnê SETEVIDAS Ao Vivo é possível perceber o entrelace de diferentes potências (vocais/performáticas/sonoras/visuais) – daí a característica tão marcante desse show.

E “Dê Um Rolê”, o single, consolida a Pitty intérprete: ela toma pra si a letra da música e dá vida a ela. Afinal, uma coisa é cantar, outra coisa é interpretar. De nada adianta ter uma extensão vocal estrondosa e não passar a mensagem (e o sentimento) da música – o que, claramente, não é o caso visto aqui. Pitty é totalmente o amor da cabeça aos pés. Me convence: a vida é boa. Se antes eu comentei que suas composições se ressignificavam em sua voz, agora aponto que “Dê Um Rolê” é, no momento, o melhor exemplo de como músicas de outros compositores ganham novos sentidos em sua interpretação. Na canção dos Novos Baianos, Pitty usou uma pitada (ou um punhado?) da versão gênia da Gal Costa: rasgada, enérgica, convidativa – uma lindeza só. Eu fiquei obcecada durante semanas, confesso.

 …

O que será que vem depois do SETEVIDAS? Eu não sei. Só sei que, ao que tudo indica – e pelo andar dessa carruagem que só melhora com o tempo -, a gente não perde por esperar.