Archive for the ‘Funk’ Category

Carol G. Nunes – @carolgnunes

TransmutAção, o disco mais recente de BNegão & Seletores de Frequência, foi lançado – e muito bem lançado! – em Porto Alegre na quinta-feira passada, dia 5.

Às 23h30min, a banda subiu ao palco do Opinião e iniciou o show com nada menos que todo o disco novo na íntegra. Muito mais instrumental e com letras cheias de reflexão, o TransmutAção foi muito bem recebido pelo público. O público, inclusive, participou de todo o show – até mesmo das músicas novas. Depois do TransmutAção, foi a vez dos sucessos dos discos anteriores: “Sintoniza Lá”, “Prioridades”, “Reação”, “Dorobô”, “Enxugando gelo”, “Funk até o caroço”, “Bass do tambô”, “Essa é pra tocar no baile”, “Subconsciente”, “Qual é o seu nome?” e “Dança do patinho”: sen-sa-ci-o-nal.

4
BNegão & Seletores de Frequência durante o lançamento do novo disco (Foto: Carol G. Nunes)

O show foi marcado pela ótima execução das músicas e entrosamento entre BNegão e os seletores no palco. Disseminador da música negra universal, BNegão não deixou faltar groove e peso na noite. As músicas dos 3 discos trazem inúmeros elementos de dub, funk, HC, reggae, suingue, samba e outras mil referências que funcionam perfeitamente nos discos – e melhor ainda ao vivo. Foram quase duas horas de um show com uma performance brutal e com o melhor som que eu já ouvi no Opinião. Dificilmente eu fico na parte de baixo da pista porque o som estoura, mas dessa vez deu, inclusive, para dar umas voltas bem na frente do palco e não havia um ruído sequer nas caixas de som. Não sei se exigência da casa, ou dos vizinhos, ou de quem quer que seja (ou quem sabe culpa de um ótimo técnico de PA, também), mas o som estava mais baixo e muito melhor. Impecável.

Outro lance que chamou muito a minha atenção foi a iluminação em total sincronia com o beat das músicas. BNegão comentou que o iluminador deles já trabalhou com o Cordel de Fogo Encantado, então ele tem um lance forte de espetáculo (meio cênico, até), além de ser bem experimental e ficar bolando novos esquemas de luz.

Após o show, BNegão e eu comentávamos da importância que é tocar as músicas novas, não ficar só nos hits. E que é preciso coragem pra fazer isso (afinal, tocar o disco novo na íntegra e na ordem não é algo muito comum e também depende do local e do público), mas que na divulgação do TransmutAção eles estão tentando fazer isso sempre que possível. “Tem uma galera que toca duas músicas do disco novo e depois só as conhecidas, mas a nossa ideia não é fazer isso”, comentou o músico.

O TransmutAção teve patrocínio do Natura Musical, projeto de incentivo à música brasileira, que tem apoiado vários projetos massa. Sobre o lançamento pelo Natura Musical, BNegão comentou que o empresário da banda, Mauro Fernandes, foi o responsável por inscrever o projeto e o único que acreditou nesse lance (ele e Lu Ferraz, sua assistente), enquanto a banda nunca colocou fé de que realmente rolaria alguma coisa. Mas rolou, o projeto foi aprovado no edital, o TransmutAção tá aí (inclusive pra download gratuito – baixe clicando aqui) e a banda segue fazendo a divulgação do disco.

A agenda completa (e outras informações) você encontra no site oficial da banda.

Anúncios

Carol G. Nunes@carolgnunes

“Cowboy”, “Ah! Eu to sem erva”, “Fazê a cabeça”, “Detetive”, “Merda de bar”, “Arrastão do amor”, “Não aguento mais”, “Melô do analfabeto”, “Ejaculação precoce” e muito mais: são inúmeros os hits nos 20 anos de carreira da Comunidade Nin-Jitsu.

No último sábado, 3 de outubro, a Comunidade resolveu fazer um baile no palco do Opinião para comemorar estes 20 anos e lançar seu novo disco, intitulado King Kong Diamond. Com produção de Edu K (que foi homenageado durante a canção “Popozuda Rock’n’Roll”), o King Kong Diamond traz algumas lembranças do Broncas Legais (primeiro disco da banda, também produzido por Edu K), como o groovezão do baixo e guitarras pesadas.

DSC01693

A banda montou um repertório para celebrar os 20 anos de carreira (Foto: Carol G. Nunes)

Foram 27 músicas em duas horas de show. Mano Changes, inclusive, comentou que eles sempre estavam pela chalaça pós-show, fazendo uma apresentação de mais ou menos 1h15min, mas dessa vez era diferente; eles queriam presentear os fãs com um show maior e mais emocionante. As canções do novo disco foram aparecendo no meio dos hits (Aqui você assiste ao vídeo de “Maremoto”). Além de “Popozuda Rock’N’Roll”, a banda também tocou “Tudo o que ela gosta de escutar” e fez uma homenagem ao Chorão, que participou do DVD deles, em 2011.

Mano Changes, em vários momentos do show, agradeceu a todos que acompanham a banda nestes 20 anos. Disse que nada seria possível sem os fãs, e que passava um filme em sua cabeça ao ver rostos na plateia. Além do quarteto Mano Changes/Fredi/Nando/Cristiano, Erick Endres, filho de Fredi, tocou guitarra durante quase todo o show. Cheio de virtuosismo, solos e danças nervosas, Erick dá um gás absurdo no palco – afinal, sangue novo, energia nova. Quem também deu o ar da graça foi Índio, o detetive do clipe de “Detetive”, que dançou com os músicos e depois tirou fotos com a plateia. Um king kong (diamond) também apareceu em determinado momento do show (perceba na foto acima), mas logo Erick Endres o derrubou no chão, roubou sua guitarra e continuou o show.

Perto do final do show, Fredi chamou a galera pra subir no palco, e lá foram inúmeras gurias. Aí, sim, virou um baile funk, com saudação à massa funkeira e muito rebolado.

Abaixo, o vídeo da última música do show, “Ah! Eu to sem erva!”, que mostra mais ou menos a vibe da galera nesta grande comemoração:

Carol Govari Nunes@carolgnunes

Quem esteve no Opinião no último sábado, dia 21, pode presenciar o show de duas consagradas bandas gaúchas: Ultramen e Comunidade Nin-Jitsu.

O palco do bar quase ficou pequeno para tanta energia presente naquela noite. As bandas já haviam se unido para encerrar a primeira noite do Planeta Atlântida, em fevereiro deste ano, e parece que deu tão certo que eles resolveram repetir.

A Ultramen, pelas palavras de Luciano Malásia, percussionista, “é de uma geração influenciada pela MTV e pelo Galpão Crioulo”. Eles circulam, entre outros estilos, pelo hip hop, heavy metal e nativismo. Já a Comunidade Nin-Jitsu é do miami-bass, funk carioca e hard core. Ambas foram formadas em Porto Alegre durante uma grande movimentação na cena musical da cidade, a qual originou, além delas, bandas como, por exemplo, Tequila Baby, Acústicos e Valvulados, e mais para o final dos anos 90, Bidê ou Balde e Cachorro Grande.

Por serem bandas com estilos diferentes, mas parecidas (as duas usam vocabulário interno; nenhuma se encaixa no estereótipo do “rock gaúcho”) e, além disso, frutos da mesma cena, achei que seria interessante ver a junção destes elementos no palco. Não deu outra: foi uma ótima noite com um repertório repleto de hits.

DSC01332

Juntas, as bandas animaram o público durante uma hora e meia (Foto: Carol Govari Nunes)

O setlist ficou assim:

  1. Merda de bar
  2. Tubarãozinho
  3. Cowboy
  4. Não aguento mais
  5. Bico de luz
  6. Dívida
  7. Toda molhada
  8. Arrastão do amor
  9. Compromisso
  10. Erga suas mãos
  11. Detetive
  12. Popozuda (com participação de Edu K)
  13. General
  14. Hip Hop Beatbox com vocal e James Brown
  15. Tudo que ela gosta de escutar (Charlie Brown Jr)
  16. Ah, eu to sem erva
  17. Peleia (com PX, da Revolução RS)
  18. Bis: Cosmic Slop (Funkadelic)

 

Do início ao fim, o público respondeu de forma muito positiva: pulou, cantou, gritou, dançou, se divertiu muito. Os músicos estavam inspiradíssimos, animados. Foi um show memorável e eu espero que ele se repita em breve.

* No site do POA Music Scenes, projeto que faz um mapeamento da cena musical de Porto Alegre, tendo como parâmetros algumas iniciativas realizadas em Manchester, você encontra um relato detalhado da noite.

capa_brinquedo_callangazoo

Capa do EP “Brinquedo” (Divulgação)

Carol Govari Nunes@carolgnunes

Dia desses chegou ao e-mail do blog um realese da banda Callangazoo. Eu até tinha visto alguns amigos divulgando no facebook, porém, nem sempre a gente consegue ouvir todas as indicações que tem por aí. Mas como eles haviam enviado pra gente, resolvi escutar. Geralmente recebemos coisas muito boas por e-mail e até fazemos amigos, promoções de CD’s e contatos interessantes, e a banda Callangazoo foi uma dessas coisas boas que chegaram até nós. No início, senti um pouco de estranhamento com o som, já que há mistura de influências e harmonias experimentais que diferem bastante das tradicionais que escutamos por aí, mas o som é interessantíssimo.

Formada às vésperas de um carnaval em 2011, a Callangazoo lançou há pouco o segundo EP intitulado “Brinquedo”. No próximo sábado, 25, durante o show da banda no Teatro Gamboa Nova (Salvador/BA), ocorre a primeira exibição do clipe da música que deu nome ao EP.

Com Cebola Pessoa no vocal e guitarra, Bob Nunes no baixo e vocal, Andel Falcão na guitarra e Leo Abreu na bateria, a banda já tinha lançado o primeiro EP homônimo em 2012 e, desde então, apresenta canções atemporais e irreverentes que flertam com os horizontes expansivos e comportamentais do rock nacional. Por e-mail, o vocalista e guitarrista Cebola conversou com o The Backstage e contou que, em 2012, após o lançamento do primeiro EP, eles montaram um show e começaram a apresentar as músicas em Salvador, Feira de Santana e Vitória da Conquista.

Com arranjos que diferem bastante entre si, Cebola disse que “em geral o primeiro contato com as músicas se dá dentro do estúdio, momento em que elas são apresentadas já para serem lapidadas por todos de maneira livre e complementar”. O vocalista também comentou que eles buscam dialogar diversos gêneros, estilos e ritmos dentro de uma mesma canção, o que percebemos claramente em “Brinquedo” e “A viagem do Callangazoo”.

callangazoo_cred_patty_arruda_6

A banda formada em 2011 já tem 2 EP’s e pretende lançar um disco em seguida (Foto: Patty Arruda)

Esse processo experimental  é derivado de um amadurecimento musical que os integrantes trazem como bagagem de outras bandas: antes Cebola cantava nos Truanescos, o baixista Bob Nunes tocou com a Dellas Frias, Andel Falcão tocou guitarra com os Pangenianos e o baterista Leo Abreu já tocou com a Matiz e Enquanto isso… (atualmente também toca com a Falsos Modernos). Em comum, eles têm o hábito de gostar de música sem fronteiras de estilo, gênero ou ritmo e consequentemente trazer isso à maneira de tocar, inspirados especialmente pelo som de alguns grupos do rock nacional, como Secos e Molhados, Mutantes e Tutti Frutti.

O músico comentou que após fazer circular o segundo EP pelos centros consumidores de música independente, eles pretendem iniciar a pré-produção do primeiro disco, ou seja, vem mais coisa por aí.

Você pode baixar o EP completo aqui.