Carol Govari Nunes@carolgnunes

Ontem eu decidi ser público. Não queria ser jornalista e entrevistar, não queria ser pesquisadora e analisar, não queria prestar atenção em nada que não fosse o espetáculo. Fotos, umas 5, apenas para registro. Confesso que pra mim isso é algo desafiador e que eu venho lutando muito nos últimos shows, pois mesmo quando não estou trabalhando acabo sendo extremamente racional e observadora. Mas ontem, mesmo que não completamente (por mais que eu tente, não consigo me livrar de mim – acho que dá para notar nos próximos parágrafos), consegui não pensar tanto e ser público.

E fui público no primeiro dia do espetáculo “Nico Tributo”, em homenagem ao grande Nico Nicolaiewsky. Com direção musical de Fernando Pezão (que também cantou, tocou bateria e piano) e uma banda formada especialmente para o evento, Hique Gomez, Cláudio Levitan, Arthur de Faria, Marco Lopes, Silvio Marques, Nina Nicolaiewsky e Fernanda Takai interpretaram canções de diferentes fases de Nico. Foi de se lavar chorando. Tenho certeza que muitas pessoas que estavam lá concordam comigo, inclusive o sisudo senhor que estava sentado ao meu lado esquerdo e que volta e meia tirava os óculos para enxugar suas lágrimas.

A banda abriu com “Só cai quem voa”, e foram 3 segundos até eu começar a chorar. A iluminação de palco estava sensacional. O cenário delicado e muito honesto. A banda? Nem sei o que falar. O público, para mim, também foi uma experiência à parte. Tenho adorado assistir a shows em lugares que eu não frequentava, como teatros e salão de atos, onde encontro senhoras simpáticas no banheiro e eventualmente dou um papel para uma criança que quer pedir um autógrafo. Além disso, quase nenhuma luz de câmera fotográfica ligada, muito menos celular. Apenas palmas emocionadas e ensurdecedoras.

Cada momento foi único e especial. Hique se derreteu – e nos derreteu – ao cantar “Feito um picolé no sol”; Cláudio Levitan, além dos textos, fez todos cantarem “Marcou bobeira”; Nina, filha de Nico, emocionou com “Vida sem razão”; Pezão arrasou em “Final feliz”; Arthur de Faria trouxe a linda “Schafran” e Fernanda Takai deu aquela graça que só ela tem às canções “Onde está o amor?”, “Ser feliz é complicado” e “A vida é confusão”. E essas são só algumas das músicas – ainda teve “Poeta analfabeto”, “Flor” (cantada lindamente por Silvio Marques) e muitas, muitas outras. No bis, cantamos e procuramos todos juntos “A verdadeira maionese” e saímos do teatro com “Só cai quem voa”, a mesma que abriu o espetáculo. Lá fora, mesmo com chuva, todos cantaram, pularam, dançaram, aplaudiram e gritaram “NICO! NICO! NICO!”. Quem não se emocionou bom sujeito não é.

Quem perdeu ontem, ainda tem hoje (sexta), sábado e domingo. No domingo, além dos nomes citados acima, tem a participação de John Ulhoa, do Pato Fu. John produziu o disco “Onde está o amor?”, que Nico lançou em 2007.

Abaixo, um trecho de “A vida é confusão”. Essa é uma das músicas mais importantes da minha vida, e justamente por isso só filmei um trecho. Eu queria prestar atenção em cada segundo dela. Vocês vão perceber isso pela filmagem trêmula, já que eu nunca olho para a câmera, e sim para o palco, mas mesmo assim achei que devia compartilhar um pedacinho dessa noite especial.

Acreditem, tudo isso que eu escrevi não passa de um breve relato. Quem puder, vá até o Theatro São Pedro (Praça Marechal Deodoro, centro, Porto Alegre) e assista a esse espetáculo fenomenal e comovente.

 UPDATE

Eu fiquei tão extasiada com a apresentação de quinta-feira que precisei repetir a dose. Fui no domingo, no último dia da temporada, e foi tão emocionante quanto o primeiro. O último espetáculo foi filmado pela Estação Filmes e vai sair em DVD ou programa de televisão. A direção fica por conta do Rene Goya Filho, então fiquem ligados!

No dia 11 eu fiz dois registros: “Feito um picolé no sol”, com Hique Gomez e Arthur de Faria; e “Ser feliz é complicado”, com participação de Fernanda Takai e John Ulhoa.

A certeza dessa celebração é de que a arte nunca morre. Eu poderia ficar horas escrevendo sobre o último espetáculo, sobre a atmosfera linda que tomou conta do teatro, sobre amor, sobre tudo; mas resumo em uma frase: Nico, tua vida nunca vai se desmanchar feito um picolé no sol.

Comentários
  1. […] O primeiro dia do Nico Tributo […]

  2. […] ir em cima da hora: estava enfurnada na dissertação, até pensei em não ir, já que fui ao “Nico Tributo”, que rolou ano passado, e me arrependeria profundamente se tivesse ficado em […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s