Isto não é uma resenha do show do Queens of the Stone Age

Posted: 02/10/2014 in Rock, Shows
Tags: , , , ,

Carol Govari Nunes @carolgnunes

O Josh Homme é tão perfeito que parece ser de mentira.

Eu não choro. Mentira, eu choro. Mas não em público, pelo menos. Eu consegui engolir o choro lá pela quinta música. Depois disso, durante as músicas seguintes, congelei. Fiquei hipnotizada, olhando para o palco sem me mexer. Só fui efetivamente bater cabeça em “Feel Good Hit of the Summer”. Confesso que não tenho sido o que se espera de bom público. Não faço parte do coro, não bato palma na hora combinada, não pulo abraçada com os amigos (até porque tenho ido a shows completamente sozinha), não fico gritando, enfim, não tenho atitudes muito tradicionais. Quem me vê de braços cruzados e completamente sisuda nem desconfia da minha excitação interna. Acho legal olhar para o lado e ver a galera abrindo rodas de pogo, acho divertidíssimo observar pessoas gritando e acenando para o palco, gesticulando na tentativa de fazer com que algum músico o veja, realmente fazendo parte daquilo. Mas eu também me sinto parte daquilo, só que de um jeito diferente: prefiro olhar compenetradamente, dançar na minha, bater palma na hora em que eu sentir vontade, mesmo que ninguém ao meu lado faça o mesmo. Eventualmente encontro pessoas perdidas com as mesmas atitudes, o que também é legal.

Percebo que o meu gostar tem sido cada vez mais pra dentro, e acho que isso meio que faz parte de envelhecer. Até então, o show mais emocionante da minha vida tinha sido o do Red Hot Chili Peppers (claro, tem o da Imelda May, que tá no Top 3, mas que também já faz parte da minha fase adulta), em 2002, aos 14 anos, onde eu me descabelei, gritei, pulei, desidratei, passei mal e fui parar na enfermaria, isto é, fiz tudo o que eu tinha direito. O mais engraçado é que eu tinha passado spray azul no cabelo, então o suor misturado com choro deixou meu rosto completamente azul. No final do show eu parecia um smurf. Tenho várias lembranças/histórias de quando eu gostava para fora, mas confesso que estou preferindo essa fase de gostar para dentro, mesmo que eu pareça completamente deslocada nos shows.

Queens of the Stone Age, Porto Alegre/RS, 27/09/14 (Foto: Carol Govari Nunes)

Queens of the Stone Age, Porto Alegre/RS, 27/09/14 (Foto: Carol Govari Nunes)

O show do QOTSA foi o melhor show da minha vida. Eu não consigo explicar, nem desenhar, nem nada. Logo no primeiro acorde de Millionaire eu vi que ia sair surda do Pepsi on Stage – Josh Homme e sua trupe chegaram com muita violência – e as guitarras ecoam no meu cérebro até agora. Acho que só quem esteve presente consegue entender o que aconteceu naquele espaço lotado. Não tenho palavras. Minha visão jornalística evaporou (ainda bem!). Eu até poderia tentar escrever uma resenha, mas seria desonesto da minha parte, pois eu não conseguiria expor 1% do que foi a noite do dia 27 de setembro.

E por mais que eu quase não tenha pulado, quase não tenha cantado junto, quase não tenha pirado fisicamente, parece que eu fui atropelada por um caminhão. Um caminhão chamado Queens of the Stone Age.

Comentários
  1. E eu achando que tinha sido a única hipnotizada, completamente parada olhando para o palco.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s