Sigmund Records: gravadora experimental envolve alunos e profissionais

Posted: 15/08/2013 in Experimental
Tags: , ,

Natalia Nissen@_natalices

Sigmund Records

Criatividade e conhecimento em prática é a proposta do projeto Sigmund Records,  um projeto experimental criado pelo professor Charles di Pinto e apresentado aos alunos do curso de Produção Fonográfica da Unisinos (em São Leopoldo) em março deste ano.

No total, 22 alunos integram o projeto e, ainda, cinco egressos e seis profissionais do mercado da música estão envolvidos como colaboradores ou consultores. Profissionais da música design gráfico e marketing também abraçaram a causa. A gravadora não tem fins lucrativos e visa apenas a vivência do conteúdo aprendido em sala de aula.

De acordo com Adelaide Zigiotto, membro da equipe, além dos profissionais colaboradores, há estúdios que apoiam a ideia. As gravações são realizadas no Estúdio Tec Audio e Estúdio Soma, mas o escritório está localizado no campus da universidade.

A gravadora trabalha exclusivamente com singles, lançando uma música de cada vez. “É uma ideia muito antiga, muito bem usada pelos Beatles e tantos outros até hoje, além do processo de gravação ser rápido”, explicou Adelaide.

Na primeira fase da Sigmund Records as bandas que já registraram seus trabalhos foram a Domínio Público, Defenestrantes, Quiça se Fosse, Redoma, Hang Overs e Saturno de José. E muitas outras ainda devem vir.

O projeto começou com três núcleos – AeR, Produção e Marketing – e desde este mês a gravadora tem uma nova estrutura. São três selos, Pop, Rock e Word-Experimental, além de três núcleos, o de produção, eventos e marketing. “Nós alunos acreditamos ser uma oportunidade muito grande de lidar com o mercado de trabalho porque existe a dificuldade de encontrar estágios na área e até mesmo ingressar no mercado. Também serve para afirmar cada vez mais nossa profissão”, concluiu Adelaide.

Sigmund Records no Facebook.

Comentários
  1. Gold Price diz:

    É interessante notar que a música, em sua essência, foi “adquirida†como uma forma diferenciada e especial de comunicação. Acredito, como o projeto expõe, que a música pode ser a melhor ferramenta de integração entre diferentes culturas do mundo. Por não necessitar de uma letra em alguma língua específica, a música pode ser compreendida por qualquer pessoa no planeta. De uma forma mais idealizada, seu ritmo e suas notas podem ser sentidas e entendidas mesmo que não se entenda de música. Sentimentos, emoções, sensações podem ser facilmente transmitidos sem que se diga uma palavra.

  2. […] Sigmund Records: gravadora experimental envolve alunos e profissionais […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s